Sentimento de Leitor

Juramos solenemente fazer boas recomendações
Imagem da Thumbnail para Nós (Us)
Críticas

Nós (Us)

04 jun 19 4 mins. de leitura
por Ricardo Vergueiro
ATENÇÃO: Esse artigo poderá conter alguns spoilers

publicidade

Título Nós (Us)
País EUA
Classificação 16 anos
Duração 120 mins.
Elenco Lupita Nyong’o, Elisabeth Moss, Winston Duke, Shahadi Wright Joseph, Evan Alex, Yahya Abdul-Mateen II.
Direção Jordan Peele
Gêneros Terror, Suspense
Ano 2019
Adelaide (Lupita Nyong'o) e Gabe (Winston Duke) decidem levar a família para passar um fim de semana na praia e descansar em uma casa de veraneio, mas a chegada de um grupo misterioso muda tudo e todos se tornam reféns de um verdadeiro pesadelo.

A tão comentada obra de Jordan Peele, Us (Nós), é um daqueles filmes que assustam e fazem pensar. Se você curte terror, vem comigo pra saber mais desse thriller genial!

A dosagem de suspense e horror foi calibrada na intenção de fazer funcionar – e linkar – duas chaves presentes nas grandes produções modernas do gênero: a ameaça externa e a psicológica. O sobrenatural está presente, mas o desenrolar da história traz à tona também a possibilidade de reflexões mais profundas sobre a natureza do mal: o mal que há em Nós. As sombras que nos acompanham.

Us (Nós)

O plot gira em torno de uma família que viaja para aproveitar o verão e acaba atormentada por quatro pessoas muito semelhantes a elas. Essas “cópias” transformam as férias em um inferno, e o embate de cada personagem com sua “outra face” se torna inevitável.

São iguais a nós. Pensam como nós. Sabem onde estamos.

Quatro sequências diferentes são apresentadas logo no começo e não parecem, num primeiro momento, serem cenas com alguma ligação entre si. Aqui vale repetir o que disse no começo: elas foram calibradas justamente para criar essa estranheza. A câmera mostra corredores, tubulações subterrâneas, coelhos brancos enjaulados… A sensação é de pura desordem.

E não podemos esquecer de Jordan Peele, apesar de seu histórico como diretor de comédias, ele surpreendeu a todos em 2017, com o elogiadíssimo Get Out (Corra), que já mesclava terror e suspense de viés psicológico. De quebra, ainda foi capaz de criticar o racismo nos Estados Unidos sem tornar a obra panfletária, ganhando o Oscar de Melhor Roteiro Original em 2018. Desde então, o cacife do diretor só tem aumentado.

Precisamos estar em movimento. Não vão parar até nos matarem. Ou nós os matarmos.

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

critica us (nós)

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

publicidade

Us mantém, de certa forma, o tom de crítica social do trabalho anterior. Para começar, o título, como muitos apontam, é uma alusão a United States. Além disso, os duplos também vestem macacões vermelhos semelhantes aos uniformes usados pela comunidade carcerária norte-americana. Porém, não é segredo que Jordan Peele usa de simbolismo em suas obras. Por isso, numa leitura mais profunda, o que está em jogo mesmo é o “lado negro da força”, ou seja, as trevas da psique humana.

Estamos em uma época em que tendemos a culpar os outros. O inimigo é o intruso, aquela pessoa que não representa o que nós somos.” – Jordan Peele

Eu curti muito a forma como o diretor trabalhou os close-ups, explorando bem as expressões dos atores. Quando os personagens caminham ou passeiam os olhos pela sala, por exemplo, a gente é capaz de sentir com eles a proximidade do perigo. E tem ainda o jogo de luz e sombras, que aumentam ainda mais a aflição.

É emblemático o momento em que Gabe (Winston Duke) está na frente da casa com um taco de beisebol nas mãos, gritando para quatro figuras iluminadas por trás. O terror das sombras antecedem os corpos, e parecem querer descer até a plateia do cinema.

Definitivamente, os atores arrebentaram! Lupita Nyong’o constrói cada camada de sua personagem, Adelaide, com uma atuação rica em expressões faciais e mudanças de voz. Parece criar como que um segundo diálogo, sem palavras. Enquanto isso, Winston Duke, que faz o marido de Adelaide, demonstra um timing fantástico para as tiradas cômicas, que, no final das contas, aliviam um pouco a tensão do espectador – ufa.

[…] interpretar dois personagens diametralmente opostos mas que ao mesmo tempo estão conectados. A história e os temas que estava investigando e explorando me interessaram muito. O monstro. Quem é o monstro? É interno ou externo? – Lupita Nyong’o

Sem dúvidas, o que achei ainda mais surpreendente em Nós foi o fato desse thriller ir além do terror. O diretor deixa à mostra, além de umas boas pitadas de humor, inúmeras referências à outros filmes clássicos e cults, como O Iluminado (Stanley Kubrick), Tubarão (Steven Spielberg), Os pássaros (Alfred Hitchcock), A noite dos Mortos-Vivos (George Romero), e até mesmo a comédia Esqueceram de Mim (Chris Columbus). Além de ser inovador, tudo isso acabou ajudando a driblar os clichês mais comuns dos filmes de horror – como aquela coisa do mal todo-poderoso.

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

Crítica Nós

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

Outro ponto que merece atenção é a trilha sonora. Michael Abels é genial na criação de uma colcha de retalhos de sons perturbadores, usando violinos e outros instrumentos de corda para gerar melodias dissonantes e desafinadas, acentuando a angustia que a história propõe. Ah, e tem mais! Com um custo de apenas 20 milhões de dólares, o filme faturou mais de 250 milhões. Em outras palavras, um sucesso simples, direto, aterrorizante e brilhante. Pode marcar aí: Us, duas horas de susto com arte e conteúdo.

Comentários

O blog Sentimento de Leitor disponibiliza o espaço do DISQUS para comentários e discussões dos temas apresentados no site, não se responsabilizando por opiniões, comentários e mensagens dos usuários sejam elas de qualquer natureza. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Compartilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade .

A estrutura do site, bem como os textos, os gráficos, as imagens, as fotografias, os sons, os vídeos e as demais aplicações informáticas que os compõem são de propriedade do "Sentimento de Leitor" e são protegidas pela legislação brasileira e internacional referente à propriedade intelectual. Qualquer representação, reprodução, adaptação ou exploração parcial ou total dos conteúdos, marcas e serviços propostos pelo site, por qualquer meio que seja, sem autorização prévia, expressa, disponibilizada e escrita do site, é vedada, podendo-se recorrer às medidas cíveis e penais cabíveis. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade .

publicidade

quem escreve?

Mandy Ariani

Olá, eu me chamo Mandy! Sou apaixonada por livros, filmes, mangás e Jane Austen. Se você quer ficar por dentro do universo geek e literário, visite a gente!

colaboradores

publicidade

para te inspirar

Quando acordei hoje de manhã, eu sabia quem eu era, mas acho que já mudei muitas vezes desde então.

Lewis CarrollAlice no País das Maravilhas, 1865.

os mais lidos do blog

editoras parceiras

2019

resenhas as mais recentes

Instagram@sentimentodeleitor