Sentimento de Leitor

Juramos solenemente fazer boas recomendações
Imagem da Thumbnail para A Cidade do Sol por Khaled Hosseini
Resenhas

A Cidade do Sol por Khaled Hosseini

06 out 18 4 mins. de leitura
por Mandy Ariani

publicidade

Título A Cidade do Sol
Autor(a) Khaled Hosseini
Editora Nova Fronteira
Páginas 368
Ano 2007
Mariam tem 33 anos. Sua mãe morreu quando ela tinha 15 anos e Jalil, o homem que deveria ser seu pai, a deu em casamento a Rashid, um sapateiro de 45 anos. Ela sempre soube que seu destino era servir seu marido e dar-lhe muitos filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Laila tem 14 anos. É filha de um professor que sempre lhe diz: "Você pode ser tudo o que quiser." Ela vai à escola todos os dias, é considerada uma das melhores alunas do colégio e sempre soube que seu destino era muito maior do que casar e ter filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Confrontadas pela história, o que parecia impossível acontece: Mariam e Laila se encontram, absolutamente sós. E a partir desse momento, embora a história continue a decidir os destinos, uma outra história começa a ser contada, aquela que ensina que todos nós fazemos parte do "todo humano", somos iguais na diferença, com nossos pensamentos, sentimentos e mistérios.

Khaled Hosseini é um autor best-seller, seus livros são conhecidos por terem um relato sensível e instigante acerca da realidade do Oriente Médio. Ele se tornou muito conhecido pelo sucesso com a obra O Caçador de Pipas, muitos leitores não imaginavam que Hosseini seria capaz de impactar, ainda mais, com outra história, mas então foi lançado A Cidade do Sol e o público ficou sem palavras. Muito tempo se passou desde a sua publicação em 2007, mas esse livro estará, para sempre, guardado em um lugar especial do meu coração.

Nessa obra, a emoção é passada a partir de um ponto de vista mais feminino, pois o leitor é apresentado a duas mulheres muito diferentes, mas que se completam incrivelmente. Laila e Mariam figuram uma descrição realista da mulher e representam as personagens mais resilientes e interessantes que tive o prazer de conhecer.

Na primeira parte do livro, o leitor é introduzido a Mariam, que nasceu em 1959, em Herat – uma das maiores cidades do Afeganistão-. Contudo, ela teve o azar de nascer uma filha bastarda, fruto de um adultério entre patrão e empregada. Portanto, Mariam é uma harami, ou seja, filha de uma relação ilegítima. Em um cenário culturalmente machista, a família da mãe a abandonou e então, ela foi morar sozinha em um lugar afastado de Herat com a filha.

O pai da menina a visitava de vez em quando, porém, obviamente não podia lhe dar o mesmo tratamento de seus filhos legítimos. Logo, Mariam sempre esteve nas sombras. No decorrer da narrativa, toda a inocência da menina é perdida, juntamente com seus sonhos e esperanças. Não tardou para que ela percebesse que teria que se submeter graças a sua condição, não só de mulher, mas também de harami.

O amor era um erro nocivo, e sua cúmplice, a esperança, uma ilusão traiçoeira. E, onde quer que brotassem essas duas flores venenosas, Mariam as arrancava. Arrancava e jogava fora, antes que criassem raízes.

Na segunda parte, o leitor conhecerá a Laila, uma menina de 14 anos doce e inteligente, que vive brincando com seu amigo Tariq. Criada por um professor, seus pensamentos formaram-se de uma maneira muito diferente da Mariam. Laila vivia sem preocupações no Afeganistão, até que em abril de 1922 o presidente do país se rendeu. Seis meses depois disso, os afegãos começaram a guerrear entre si para ver quem iria assumir o comando.

publicidade

Logo, uma nova guerra se instaurou, assim como o regime talibã. Com essa nova realidade, mais conturbada e cheia de mortes, Laila, que sempre achou que poderia ser o que quisesse, agora não tinha mais tanta certeza disso. Quando a guerra bate a sua porta, ela se vê consternada e, é em Mariam que ela irá encontrar uma oportunidade para se salvar.

Em poucos anos, essa menina vai ser uma mulher que pede muito pouco da vida, que nunca incomoda ninguém, nunca deixa transparecer que ela também tem tristezas, desapontamentos, sonhos que foram menosprezados. Uma mulher que vai ser como uma rocha no leito de um rio, suportando tudo sem se queixar. Uma mulher cuja generosidade, longe de ser contaminada, foi forjada pelas turbulências que se abateram sobre ela.

Para os leitores que ficam abalados com a realidade das mulheres em países acometidos pelas guerras e por uma forte doutrina, A Cidade do Sol, é um misto de sentimentos. Além disso, é possível criar uma relação com as vítimas dessa realidade e o cenário do livro O Conto da AiaThe Handmaid’s Tale. Se pararmos para refletir, ambas as histórias mostram uma deturpação de valores, e em decorrência disso, há o sofrimento e a submissão feminina.

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

The Handmaid’s Tale

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

A Série The Handmaid’s Tale, baseada no livro da Margareth Atwood, foi lançada em 2017 e já conta com 2 temporadas.

“Duas mulheres muito diferentes que se encontram em meio ao caos da intolerância, das tradições distorcidas, da guerra contra tudo o que genuinamente somos. São protagonistas unidas para sempre pelo desejo de superar o sofrimento e o medo, vencer a opressão e encontrar a felicidade. Um desejo sem cor, sexo, raça ou credo.” – Khaled Hosseini

Por fim, digo que não poderia ter amado e me devastado mais com o final desse livro. Foi sensacional. A jornada com a Mariam e a Laila, mais do que apenas uma história emocionante, traz lições valiosas. A Cidade do Sol, insere o leitor dentro da história e, uma vez lá, é impossível não se abalar. Mas e você, leitor, já leu algum livro do Khaled Hosseini?

Comentários

O blog Sentimento de Leitor disponibiliza o espaço do DISQUS para comentários e discussões dos temas apresentados no site, não se responsabilizando por opiniões, comentários e mensagens dos usuários sejam elas de qualquer natureza. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Compartilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade .

A estrutura do site, bem como os textos, os gráficos, as imagens, as fotografias, os sons, os vídeos e as demais aplicações informáticas que os compõem são de propriedade do "Sentimento de Leitor" e são protegidas pela legislação brasileira e internacional referente à propriedade intelectual. Qualquer representação, reprodução, adaptação ou exploração parcial ou total dos conteúdos, marcas e serviços propostos pelo site, por qualquer meio que seja, sem autorização prévia, expressa, disponibilizada e escrita do site, é vedada, podendo-se recorrer às medidas cíveis e penais cabíveis. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade .

publicidade

quem escreve?

Mandy Ariani

Olá, eu me chamo Mandy! Sou apaixonada por livros, filmes, mangás e Jane Austen. Se você quer ficar por dentro do universo geek e literário, visite a gente!

colaboradores

publicidade

para te inspirar

A vida é uma tempestade, meu amigo. Um dia você está tomando sol e no dia seguinte o mar te lança contra as rochas. O que faz de você um homem é o que você faz quando a tempestade vem.

Alexandre DumasO Conde de Monte Cristo, 1844.

os mais lidos do blog

editoras parceiras

2019

resenhas as mais recentes

Instagram@sentimentodeleitor