Sentimento de Leitor

Juramos solenemente fazer boas recomendações
Imagem da Thumbnail para A Filha Esquecida
Resenhas

A Filha Esquecida

06 abr 20 3 mins. de leitura
por Mandy Ariani
Esta publicação é fruto de uma PARCERIA

publicidade

Título A Filha Esquecida
Autor(a) Armando Lucas Correia
Tradutor(a) Denise de Carvalho Rocha
Editora Jangada
Páginas 384
Ano 2019
Em 1939, um casal vê seus sonhos destruídos quando os nazistas invadem a cidade de Berlim. Enquanto o marido Júlio é levado para um campo de concentração, a esposa Amanda foge para o sul da França, onde é obrigada a fazer uma escolha impossível. Após um tempo escondida, Amanda é levada pelas forças nazistas a um campo de trabalhos forçados onde precisa mais uma vez reunir forças para fazer um sacrifício heroico. Já em 2015, Elise, uma francesa que chegou a Nova York depois da Segunda Guerra Mundial, fica chocada ao descobrir que décadas de segredos de seu passado começam a vir à tona através de cartas escritas por sua mãe. A Filha Esquecida é uma saga familiar sobre o amor e a resiliência diante dos grandes desafios da vida.

A Filha Esquecida, do autor premiado Armando Lucas Correa, nos presenteia com um relato comovente do período da fatídica Segunda Guerra Mundial. Baseado em fatos reais, o romance histórico do autor cubano mescla temáticas necessárias para contar uma história tocante, na qual não deixamos de presenciar a dor e aflição da guerra, mas também somos tocados pelo poder do amor.

De início, nós vamos conhecer uma idosa e moradora da cidade de Nova York chamada Elise Durval, que não demonstra uma relação de pertencimento com sua realidade. Quando ela se depara com o passado, Elise nos leva ao ano de 1933, onde nós vamos embarcar na emocionante jornada de uma família.

A guerra traz à tona o pior de nós. Isso é só uma maneira de sobreviver. Precisamos ter paciência, entender as outras pessoas. Ninguém quer morrer e o medo pode nos levar a fazer coisas horríveis.

Amanda Sternberg e Julius Sternberg vivem uma vida sossegada em Berlim, mas tudo muda em 1933 quando os nazistas começam a atuar, queimando não apenas os livros da livraria da Amanda, mas também iniciando uma lamentável jornada de opressão. Algum tempo depois, o casal acaba tendo duas filhas, Viera e Lina, mas o cenário só piora e o casal precisa descobrir um modo de garantir a segurança das meninas.

Não demora muito para Julius ser preso e enviado para um campo de concentração, deixando Amanda com a responsabilidade de criar e proteger as filhas sozinha. Porém, Julius acaba traçando um plano para salvar a vida das filhas: enviar ambas para Cuba. Em contra partida, Amanda deveria ir para o interior da França morar com uma amiga da família. Contudo, no último minuto, Amanda muda tais planos e decide enviar apenas sua filha mais velha, Viera, para Cuba – Levando a filha mais nova consigo para a França.

Ela era uma sobrevivente, e isso não era um erro, nem um equívoco.

publicidade

Enquanto Viera precisa lidar com os obstáculos de estar sozinha, não tarda para a guerra alcançar Amanda e sua filha mais nova. Durante a leitura de A Filha Esquecida, é impossível não sentir a dor dos personagens pelos quais sentimos tanta empatia. Além disso, a narrativa é extremamente real e dolorosa, nos mostrando o medo, a solidão e os horrores cometidos na Segunda Guerra Mundial. Porém, também sentimos a vontade de sobreviver e o amor incondicional entre pessoas que se amam.

Através de personagens sensacionais e um enredo que promete tirar o nosso sono, A Filha Esquecida nos traz diversas lições e reflexões sobre o comportamento humano. Para sobreviver e proteger aqueles que amamos, nós somos capazes de muitas coisas impensáveis e muitas vezes nos perdemos nesse processo cruel.

Agora ela estava vivendo outra de suas mortes. Só Deus sabia de quantas outras mortes teria que fugir.

Sem dúvidas, vale muito a pena ler esse romance histórico! Apesar de ser uma leitura – muitas vezes – dolorosa e que nos mostra as cicatrizes profundas que a maldade humana pode deixar, o livro retrata o amor incondicional de uma família e demonstra alguns vestígios do bem, que podem ser encontrados mesmo em uma guerra.

A escrita de Armando Lucas Correia é tocante e muito envolvente, além de trazer tons incríveis de realidade. No fim, nós sentimos todo o peso da história, e terminamos a leitura surpreendidos pelo final e pela força de tantos personagens incríveis. A Filha Esquecida deve ser lido e apreciado por todos, mas é preciso se preparar para fortes doses de emoção.

Comentários

O blog Sentimento de Leitor disponibiliza o espaço do DISQUS para comentários e discussões dos temas apresentados no site, não se responsabilizando por opiniões, comentários e mensagens dos usuários sejam elas de qualquer natureza. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Compartilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade .

A estrutura do site, bem como os textos, os gráficos, as imagens, as fotografias, os sons, os vídeos e as demais aplicações informáticas que os compõem são de propriedade do "Sentimento de Leitor" e são protegidas pela legislação brasileira e internacional referente à propriedade intelectual. Qualquer representação, reprodução, adaptação ou exploração parcial ou total dos conteúdos, marcas e serviços propostos pelo site, por qualquer meio que seja, sem autorização prévia, expressa, disponibilizada e escrita do site, é vedada, podendo-se recorrer às medidas cíveis e penais cabíveis. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade .

publicidade

quem escreve?

Mandy Ariani

Olá, eu me chamo Mandy! Sou apaixonada por livros, filmes, mangás e Jane Austen. Se você quer ficar por dentro do universo geek e literário, visite a gente!

colaboradores

publicidade

para te inspirar

Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos. Os homens esqueceram essa verdade, mas tu não a deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.

Antoine de Saint-ExupéryO Pequeno Príncipe, 1943.

os mais lidos do blog

editoras parceiras

2019

resenhas as mais recentes