Sentimento de Leitor

Juramos solenemente fazer boas recomendações
Imagem da Thumbnail para A Filha Esquecida
Resenhas

A Filha Esquecida

06 abr 20 3 mins. de leitura
por Mandy Ariani
Esta publicação é fruto de uma PARCERIA

publicidade

Título A Filha Esquecida
Autor(a) Armando Lucas Correia
Tradutor(a) Denise de Carvalho Rocha
Editora Jangada
Páginas 384
Ano 2019
Em 1939, um casal vê seus sonhos destruídos quando os nazistas invadem a cidade de Berlim. Enquanto o marido Júlio é levado para um campo de concentração, a esposa Amanda foge para o sul da França, onde é obrigada a fazer uma escolha impossível. Após um tempo escondida, Amanda é levada pelas forças nazistas a um campo de trabalhos forçados onde precisa mais uma vez reunir forças para fazer um sacrifício heroico. Já em 2015, Elise, uma francesa que chegou a Nova York depois da Segunda Guerra Mundial, fica chocada ao descobrir que décadas de segredos de seu passado começam a vir à tona através de cartas escritas por sua mãe. A Filha Esquecida é uma saga familiar sobre o amor e a resiliência diante dos grandes desafios da vida.

A Filha Esquecida, do autor premiado Armando Lucas Correa, nos presenteia com um relato comovente do período da fatídica Segunda Guerra Mundial. Baseado em fatos reais, o romance histórico do autor cubano mescla temáticas necessárias para contar uma história tocante, na qual não deixamos de presenciar a dor e aflição da guerra, mas também somos tocados pelo poder do amor.

De início, nós vamos conhecer uma idosa e moradora da cidade de Nova York chamada Elise Durval, que não demonstra uma relação de pertencimento com sua realidade. Quando ela se depara com o passado, Elise nos leva ao ano de 1933, onde nós vamos embarcar na emocionante jornada de uma família.

A guerra traz à tona o pior de nós. Isso é só uma maneira de sobreviver. Precisamos ter paciência, entender as outras pessoas. Ninguém quer morrer e o medo pode nos levar a fazer coisas horríveis.

Amanda Sternberg e Julius Sternberg vivem uma vida sossegada em Berlim, mas tudo muda em 1933 quando os nazistas começam a atuar, queimando não apenas os livros da livraria da Amanda, mas também iniciando uma lamentável jornada de opressão. Algum tempo depois, o casal acaba tendo duas filhas, Viera e Lina, mas o cenário só piora e o casal precisa descobrir um modo de garantir a segurança das meninas.

Não demora muito para Julius ser preso e enviado para um campo de concentração, deixando Amanda com a responsabilidade de criar e proteger as filhas sozinha. Porém, Julius acaba traçando um plano para salvar a vida das filhas: enviar ambas para Cuba. Em contra partida, Amanda deveria ir para o interior da França morar com uma amiga da família. Contudo, no último minuto, Amanda muda tais planos e decide enviar apenas sua filha mais velha, Viera, para Cuba – Levando a filha mais nova consigo para a França.

Ela era uma sobrevivente, e isso não era um erro, nem um equívoco.

publicidade

Enquanto Viera precisa lidar com os obstáculos de estar sozinha, não tarda para a guerra alcançar Amanda e sua filha mais nova. Durante a leitura de A Filha Esquecida, é impossível não sentir a dor dos personagens pelos quais sentimos tanta empatia. Além disso, a narrativa é extremamente real e dolorosa, nos mostrando o medo, a solidão e os horrores cometidos na Segunda Guerra Mundial. Porém, também sentimos a vontade de sobreviver e o amor incondicional entre pessoas que se amam.

Através de personagens sensacionais e um enredo que promete tirar o nosso sono, A Filha Esquecida nos traz diversas lições e reflexões sobre o comportamento humano. Para sobreviver e proteger aqueles que amamos, nós somos capazes de muitas coisas impensáveis e muitas vezes nos perdemos nesse processo cruel.

Agora ela estava vivendo outra de suas mortes. Só Deus sabia de quantas outras mortes teria que fugir.

Sem dúvidas, vale muito a pena ler esse romance histórico! Apesar de ser uma leitura – muitas vezes – dolorosa e que nos mostra as cicatrizes profundas que a maldade humana pode deixar, o livro retrata o amor incondicional de uma família e demonstra alguns vestígios do bem, que podem ser encontrados mesmo em uma guerra.

A escrita de Armando Lucas Correia é tocante e muito envolvente, além de trazer tons incríveis de realidade. No fim, nós sentimos todo o peso da história, e terminamos a leitura surpreendidos pelo final e pela força de tantos personagens incríveis. A Filha Esquecida deve ser lido e apreciado por todos, mas é preciso se preparar para fortes doses de emoção.

Comentários

O blog Sentimento de Leitor disponibiliza o espaço do DISQUS para comentários e discussões dos temas apresentados no site, não se responsabilizando por opiniões, comentários e mensagens dos usuários sejam elas de qualquer natureza. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Compartilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade .

A estrutura do site, bem como os textos, os gráficos, as imagens, as fotografias, os sons, os vídeos e as demais aplicações informáticas que os compõem são de propriedade do "Sentimento de Leitor" e são protegidas pela legislação brasileira e internacional referente à propriedade intelectual. Qualquer representação, reprodução, adaptação ou exploração parcial ou total dos conteúdos, marcas e serviços propostos pelo site, por qualquer meio que seja, sem autorização prévia, expressa, disponibilizada e escrita do site, é vedada, podendo-se recorrer às medidas cíveis e penais cabíveis. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade .

publicidade

quem escreve?

Mandy Ariani

Olá, eu me chamo Mandy! Sou apaixonada por livros, filmes, mangás e Jane Austen. Se você quer ficar por dentro do universo geek e literário, visite a gente!

colaboradores

publicidade

para te inspirar

Quando acordei hoje de manhã, eu sabia quem eu era, mas acho que já mudei muitas vezes desde então.

Lewis CarrollAlice no País das Maravilhas, 1865.

os mais lidos do blog

editoras parceiras

2019

resenhas as mais recentes