Sentimento de Leitor

Juramos solenemente fazer boas recomendações
Imagem da Thumbnail para A Menina do Outro Lado: Volume 1
Resenhas

A Menina do Outro Lado: Volume 1

04 set 19 3 mins. de leitura
por Caique Araujo

publicidade

Título A Menina do Outro Lado
Autor(a) Nagabe
Tradutor(a) Renata Garcia
Editora DarkSide Books
Páginas 176
Ano 2019
Em um país dividido entre pessoas normais e seres amaldiçoados, Shiva é uma menininha que foi acolhida por uma estranha criatura meio animal e meio humana. Sensei, como é chamado, não pode ser tocado e vive fora da cidade. Afastado do convívio com os demais e ciente dos perigos e maldições que os rodeiam, Sensei alerta Shiva para que ela não saia sozinha. Porém, quando a menininha decide reencontrar sua tia desaparecida, regras são quebradas, e a vida que eles conheciam é colocada em risco.

Quem tem o costume, já sabe: ao tocar um manga com as mãos, estará prestes a viver extravagantes emoções. E, diante essa obra, a certeza não poderia ser diferente quando a última página é virada. A Menina do Outro Lado representa um conto de fadas com sutilezas marcantes, moldando página a página o vislumbre “dark” ainda que doce. Uma premissa que, sem dúvidas, se conecta com os demais títulos da DarkSide Books. Criada pelo mangaká Nagabe, lá fora o título já representa uma série com seis volumes – e você vai desejar ter todos.

A narrativa posiciona-se a partir de duas criaturas distintas e muito contrastantes. De um lado, Shiva, uma doce e pequena garotinha dos cabelos prateados. Do outro, Sensei – como é chamado, uma criatura horrenda e arrepiante. A trama, por sua vez, decide apresentar esta dinâmica. O foco está no cotidiano. Para então, conectar esses dois personagens em uma construção moldada por amor e afeto, mostrando que, do mais doce ao mais amargo, ainda é possível encontrar algo à ser compartilhado.

Nagabe, entretanto, não apresenta tantas inovações, mas… não vejo porquê qualificar este como um erro do criador. A história é o que deve ser: feita para emocionar e envolver. De certo modo, entramos em uma história que já está em movimento. Com seu ritmo lento, apresentação sutil dos conceitos e dramatização dos personagens com eventos característicos dos mesmos. E, é talvez por essa razão que os efeitos no leitor sejam mais definidos por suas conexões com a narrativa do que uma maestria do roteiro.

A evolução da trama é regida por um mistério constante que, pouco a pouco, vai sendo revelado. E, entre um capítulo e outro, há o gatilho perfeito para deixar o leitor potencialmente emocionado. Seja surpreso, seja encantado, seja apavorado ou até desesperado. É certo que o mangaká dá a devida atenção para manter o leitor motivado. Essa é uma característica vital para que as mais de 170 páginas transformem-se em apenas alguns minutos e manifestem um desejo desesperado de seguir a leitura rumo aos próximos volumes.

publicidade

Não há muito o que dizer sobre o desenvolvimento sem entregar qualquer spoiler. Mas, as entrelinhas são as que mais fascinam neste manga. Com uma arte delicada, eventualmente agressiva, e projetada para explorar a luz e a escuridão com uma precisão inigualável, detemos em mãos uma obra rica em pequenos detalhes. Será preciso mergulhar neste fascínio. É o diferente que move o cerne narrativo e começa a desenvolver questões sobre aceitação, preconceito, descoberta e o próprio existencialismo dos seres amaldiçoados – talvez a serem mais exploradas nos próximos volumes.

Nagabe decidiu apostar no simples para contextualizar seu universo e entrega somente o necessário no tempo certo. Isso é a chave do envolvimento literário com a obra. Porque, como leitor, existe um espaço para digestão e conexão individual com cada mensagem e cada um dos personagens protagonistas. Nas primeiras 20 páginas, por exemplo, a conexão é imediata. Os dois protagonistas já farão parte do seu coração. E para melhor – ou para pior, ao final, Nagabe brinca com as emoções e dilacera com o coração do leitor, fazendo com que este sinta-se como se afogando em seu próprio espanto.

Como pode uma simples história ser tão doce e horripilante, ao mesmo tempo? A Menina do Outro Lado nasceu para responder essa pergunta. O volume apresenta tudo que os leitores mais alternativos procuram sobre o “bizarro encantador”. A edição da DarkSide Books ainda consegue elevar a qualidade do material com sua capa dura e impressão de alta qualidade. Tudo que um aficionado por mangas e livros bonitos precisa. Resta agora apenas continuar acompanhando os lançamentos dos próximos volumes e começar a coleção desta sensível história.

Comentários

O blog Sentimento de Leitor disponibiliza o espaço do DISQUS para comentários e discussões dos temas apresentados no site, não se responsabilizando por opiniões, comentários e mensagens dos usuários sejam elas de qualquer natureza. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Compartilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade .

A estrutura do site, bem como os textos, os gráficos, as imagens, as fotografias, os sons, os vídeos e as demais aplicações informáticas que os compõem são de propriedade do "Sentimento de Leitor" e são protegidas pela legislação brasileira e internacional referente à propriedade intelectual. Qualquer representação, reprodução, adaptação ou exploração parcial ou total dos conteúdos, marcas e serviços propostos pelo site, por qualquer meio que seja, sem autorização prévia, expressa, disponibilizada e escrita do site, é vedada, podendo-se recorrer às medidas cíveis e penais cabíveis. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade .

publicidade

quem escreve?

Mandy Ariani

Olá, eu me chamo Mandy! Sou apaixonada por livros, filmes, mangás e Jane Austen. Se você quer ficar por dentro do universo geek e literário, visite a gente!

colaboradores

publicidade

para te inspirar

Quando acordei hoje de manhã, eu sabia quem eu era, mas acho que já mudei muitas vezes desde então.

Lewis CarrollAlice no País das Maravilhas, 1865.

os mais lidos do blog

editoras parceiras

2019

resenhas as mais recentes

Instagram@sentimentodeleitor