Sentimento de Leitor

Juramos solenemente fazer boas recomendações
Imagem da Thumbnail para Chiclete
Resenhas

Chiclete

09 nov 19 4 mins. de leitura
por Ricardo Vergueiro

publicidade

Título Chiclete
Autor(a) Kim Ki-Taek
Tradutor(a) Yun Jung Im
Editora 7 Letras
Páginas 92
Ano 2018
Traduzido diretamente do idioma original, Chiclete é o segundo livro de poesia coreana publicado pela 7Letras. Esta obra de Kim Ki-Taek se destaca tanto pela originalidade do autor, quanto pela novidade de aproximar o leitor brasileiro de uma cultura vista como distante. Na realidade, por abordar temas essencialmente urbanos, Chiclete pode ser compreendido por qualquer dito “cidadão do mundo”. Sem inibição, a poesia de Ki-taek expõe incômodos, ideias fixas e cenas do cotidiano urbano, atraindo e enredando o leitor em seu estilo único – flexível e aderente tal qual um chiclete.

No âmbito da indústria cultural, a Coréia do Sul conquistou o público brasileiro, nos últimos tempos, em razão do K-pop, um fenômeno musical entre os adolescentes. Como em qualquer parte do mundo, porém, as produções em massa não refletem toda a cultura de um país, e com os sul-coreanos não é diferente. Então, se você quiser destrinchar mais sobre determinada cultura, é interessante “consumir” diversos conteúdos e não só aqueles que estão mais em “alta”.

E o que podemos dizer, então, da literatura sul-coreana? Eu fiquei curioso e interessado por um primeiro contato com essa literatura depois de assistir uma reportagem sobre a visita de alguns escritores da Coreia do Sul à Bienal Internacional do Livro, no Rio de Janeiro. Entre eles, estava Kim Ki-Taek, cuja produção começou a ser traduzida no início do ano.

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

resenha-de-chiclete-sul-coreano

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

Posso dizer que, de modo geral, tive uma boa experiência ao ler Chiclete, sendo a quinta obra do poeta asiático (e a segunda de poesia coreana, publicada pela editora 7Letras). Trata-se do encadeamento de 56 poemas ligados por uma única temática: o cotidiano urbano. O produto “chiclete” exemplifica com perfeição o olhar do autor sobre a vida contemporânea. Seu trabalho é uma espécie de radiografia do microcosmo contido no diálogo secreto entre as pessoas e seus objetos de consumo. Basicamente, tudo o que passa batido no dia a dia é matéria-prima no trabalho de Ki-Taek.

[…] Chiclete encerrado em tantas marcas de dente,
Inumeramente socadas de novo e de novo
Sobre marcas já cravadas
Tendo amassado-as, camada a camada,
dentro do seu diminuto corpo.

O autor procura retratar as relações, inter-relações e conflitos existentes entre o indivíduo e seu cotidiano. O embate com o tempo e o gigantismo sufocante das grandes metrópoles também marca presença com as descrições cruas, racionais e cirúrgicas da realidade. É a tônica preponderante na obra. Ainda assim, contudo, é preciso reconhecer passagens menos originais e mais dignas de um caderno juvenil. Embora, estas não tenham comprometido o livro, algumas construções poéticas são de “calibre” menor, como a seguinte passagem presente em “Olhos”:

[…]Escuridão:
Parede vermelha com veias alastradas
Parede amolecida onde a estampa se move vagarosamente.
Os olhos veem algo incessantemente
Mesmo com as pálpebras cerradas.
Ainda que eu queira descansar um pouco
Ainda que no momento não queira ver nada […]

O autor, nascido numa região próxima da capital Seul, iniciou sua carreira aos 30 anos com a publicação de dois poemas, A Seca e O Corcunda, no Diário Hanguk, jornal que anualmente promove um concurso de poesia que é considerado uma vitrine para novos talentos.

publicidade

Um detalhe marcante apontado pela crítica, e que podemos constatar na leitura de seus poemas, é o fato de Kim Ki-Taek denunciar uma espécie de fusão involuntária (e inevitável) entre o “ser” e as “coisas”. Nesse processo, o corpo (o do poeta e dos personagens gerados pelo cotidiano) termina como o habitat para outros corpos, como descrito, por exemplo, no poema Acidente de Trânsito. Nele, do encontro de fluidos corporais com o para-brisa de um carro, uma nova e improvável “criatura urbana” ganha forma, e depois desaparece na banalidade da vida diária:

[…] E a casca ricocheteou-se como fragmentos de projétil.
O sangue que fervia sempre que via uma luz
O sangue que se projetava em direção à luz
Agora se agarra forte ao vidro, seu novo corpo,
Com o seu apego à vida endurecida como grude.
E que não se deixa limpar, por mais que se limpe.

A chegada de autores sul-coreanos ao mercado literário brasileiro é muito bem-vinda e merece destaque. Algumas iniciativas importantes já foram tomadas para promover essa aproximação, coordenadas especialmente pelo LTI Korea, uma instituição criada pelo governo daquele país para difundir a cultura e as artes coreanas pelo mundo (no Brasil, a comunidade sul-coreana gira em torno de 50 mil pessoas).

Um dos resultados dessa iniciativa, foi a participação, na 19ª Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, de escritores como Kang Byoung Yoong (Pepino de Alumínio, publicado pela Topbooks), Park Min-Gyu (ainda não publicado no Brasil) e o próprio Ki-Taek, que na ocasião conversou com jornalistas e blogueiros sobre a publicação de Chiclete.

A ausência de tradutores é ainda um obstáculo evidente para que mais autores sul-coreanos sejam conhecidos pelo público leitor brasileiro. E para que o número de traduções cresça é preciso, naturalmente, que haja uma expectativa mercadológica de boas vendas. Contudo, se atualmente não está fácil para alguns dos gêneros mais consumidos, o dizer, então, de poesias do leste asiático? Mesmo assim, há esperanças de que o trabalho da LTI Korea, junto às editoras brasileiras, traga mais desses autores.

O chiclete possui uma elasticidade que conserva o seu estado próprio, e por isso não é destruído. Essa elasticidade exige dos dentes uma mastigação mais forte e cruel. A razão de se considerar que mascar chiclete pode ser uma brincadeira é que ali só há o ritmo repetitivo de mastigar e ser mastigado, sem que exista como resultado o matar e morrer, ou o vencer e perder. O chiclete intermedeia o desejo de mastigar a carne do outro.- Kim Ki-Taek.

A sensibilidade peculiar com que Kim Ki-Taek “mastiga” nossas problemáticas diárias e universais é, por si só, razão mais do que suficiente para procurá-lo e lê-lo. Mas e quanto a você, caro leitor, daria uma chance para a poesia coreana? Nos diga sua opinião nos comentários!

Comentários

O blog Sentimento de Leitor disponibiliza o espaço do DISQUS para comentários e discussões dos temas apresentados no site, não se responsabilizando por opiniões, comentários e mensagens dos usuários sejam elas de qualquer natureza. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Compartilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade .

A estrutura do site, bem como os textos, os gráficos, as imagens, as fotografias, os sons, os vídeos e as demais aplicações informáticas que os compõem são de propriedade do "Sentimento de Leitor" e são protegidas pela legislação brasileira e internacional referente à propriedade intelectual. Qualquer representação, reprodução, adaptação ou exploração parcial ou total dos conteúdos, marcas e serviços propostos pelo site, por qualquer meio que seja, sem autorização prévia, expressa, disponibilizada e escrita do site, é vedada, podendo-se recorrer às medidas cíveis e penais cabíveis. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade .

publicidade

quem escreve?

Mandy Ariani

Olá, eu me chamo Mandy! Sou apaixonada por livros, filmes, mangás e Jane Austen. Se você quer ficar por dentro do universo geek e literário, visite a gente!

colaboradores

publicidade

para te inspirar

Quando acordei hoje de manhã, eu sabia quem eu era, mas acho que já mudei muitas vezes desde então.

Lewis CarrollAlice no País das Maravilhas, 1865.

os mais lidos do blog

editoras parceiras

2019

resenhas as mais recentes