Sentimento de Leitor

Juramos solenemente fazer boas recomendações
Imagem da Thumbnail para Emma
Resenhas

Emma

08 abr 20 4 mins. de leitura
por Mandy Ariani

publicidade

Título Emma
Autor(a) Jane Austen
Tradutor(a) Therezinha Monteiro Deutsch
Editora BestBolso
Páginas 464
Ano 2011
Jane Austen disse numa carta que ‘três ou quatro famílias num vilarejo do interior são a melhor coisa para se trabalhar’ e, sem jamais se desviar desse princípio, criou algumas das mais fascinantes obras da literatura mundial, numa prosa elegante, enxuta e bem-humorada que já pode ser considerada imortal. ”Julia Romeu, trecho do prefácio “Doces defeitos”Emma Woodhouse, uma jovem bonita, inteligente e encantadora, está decidida a jamais se casar. Ela já possui toda a fortuna e a independência de que precisa e sente-se perfeitamente satisfeita com sua situação, o que não a impede de se divertir planejando casamentos entre as pessoas que a cercam. Ao conhecer Harriet Smith, uma moça de status social mais baixo, Emma decide ajudá-la a encontrar um pretendente que seja um verdadeiro cavalheiro. Porém, a jovem descobre que interferir demasiadamente na vida dos outros pode por em risco a própria felicidade. Para garanti-la, Emma deve superar seus preconceitos e compreender melhor o que se passa em seu coração. Marcado pela inigualável ironia de Jane Austen e repleto de diálogos geniais, Emma é um retrato vívido da situação das mulheres na Inglaterra do início do século XIX. A obra ganhou diversas adaptações para a televisão e o cinema, sendo a mais conhecida estrelada por Gwyneth Paltrow.Também disponíveis pela BestBolso: Razão e sensibilidade, Orgulho e preconceito, Mansfield Park, A abadia de Northanger e Persuasão.

Quando Jane Austen conversava com James Austen-Leigh, o sobrinho da autora, ela declarou: “Vou criar uma heroína de quem ninguém, além de mim, vai gostar muito.” Apesar da escritora inglesa ter bons motivos para pensar dessa forma, Emma Woodhouse é uma personagem extremamente humana e singular que possui algumas qualidades notáveis, mas também conserva mais imperfeições em si mesma do que gostaria de admitir.

Aos tolos não temos por que justificar nossa conduta.

A narrativa gira em torno de Emma, uma jovem afortunada que vive em um pequeno vilarejo no qual seus dias não são muito empolgantes. Sem ter o desejo ou a necessidade de se casar, Emma passa seu tempo cuidando de seu pai hipocondríaco, recebendo visitas ocasionais e discordando do Sr. Knightley – o único homem que parece notar os defeitos e as falhas de julgamento da nossa protagonista. Portanto, ela acaba desenvolvendo uma forma de entretenimento pouco convencional: conseguir boas uniões matrimoniais para pessoas próximas.

Depois de “arranjar” um bom casamento para sua governanta, Emma decide embarcar numa jornada para conseguir um par para sua mais nova amiga, a Srta. Harriet Smith. O único problema é que a capacidade de interpretação que Emma pensa ter sobre as pessoas e suas emoções não é tão boa assim, e isso vai gerar uma série de desventuras que devem levar Emma a reconsiderar suas opiniões sobre si mesma.

– É o caso de todos nós, papai. Metade do mundo não consegue entender os prazeres da outra metade.

Em Emma, Jane Austen utiliza sua linguagem e percepção afiada para narrar mais uma história focada no cotidiano da sociedade inglesa de sua época, além de empregar o humor e a ironia para criticar certos comportamentos e costumes da alta sociedade – por exemplo, o casamento e a convivência apenas entre pessoas da mesma classe social. Nesse caso, criar uma heroína como Emma Woodhouse foi uma escolha certeira, afinal ela é rica, inteligente e muito bonita, porém é muito egoísta, condescendente, egocêntrica e terrível na hora de julgar o caráter e o sentimento alheio.

Nesse livro, nós vamos nos deparar com uma jornada de amadurecimento de uma protagonista muito interessante, mas não tão perfeita e simpática como outras heroínas de Jane Austen. Em contra partida, o Sr. Knithley – ao contrário do conhecido Sr. Darcy – é muito gentil, coerente e expõe suas opiniões com facilidade. Ao contrário de Emma e outros personagens, ele também não é esnobe ou arrogante, então sempre discorda de alguns posicionamentos da protagonista.

Eram pessoas tão dignas que, se estivessem um pouquinho mais acima na sociedade, seria o suficiente; mas, da forma que era, o que ela poderia fazer? Impossível!

Sem dúvidas, os diálogos entre Emma e o Sr. Knithley são sensacionais! Através deles, nós conhecemos muito bem esses personagens e suas inclinações pessoais. Mas, não pense que apenas eles nos conquistam nessa obra de Austen. Pois, nós encontramos diversas figuras interessantes nessa narrativa, tais como a Sra. Bates, os WestonsJane Fairfax, Frank Churchill e o Sr. Woodhouse.

publicidade

Devemos salientar, no entanto, que a obra de Austen não utiliza o romance como cerne da história – longe disso. Então, se você espera uma obra como Orgulho e Preconceito, no qual a relação entre os protagonistas se desenvolve ao longo de todo o livro, eu devo te alertar agora mesmo. Emma é um romance histórico cujo núcleo acontece a partir do cotidiano e do convívio entre famílias, sendo que o foco principal do livro é o percurso de erros e acertos de Emma.

E, com certeza, não vou querer me persuadir a sentir mais do que de fato sinto. Estou apaixonada o bastante e lamentaria se estivesse mais.

Dentre os pontos positivos de Emma, eu citaria os diálogos maravilhosos, os personagens cativantes e as subtramas que o livro traz. Mesmo a história sendo focada na complicada Emma e sua jornada de amadurecimento, a obra de Austen também acompanha um pouco a vida de outros personagens e mostra realidades diferentes das vivenciadas pela nossa protagonista, embora esse não seja um dos focos principais do livro. Além disso, a discussão de classes é muito presente, mostrando a forma como a sociedade da época estimava o status social e não hesitava em julgar as pessoas por essa questão.

Porém, por destacar o cotidiano, algumas partes do livro são um pouco repetitivas e constantes. Então, a obra acaba se tornando maçante em certos momentos, principalmente para os leitores menos acostumados com livros com mais diálogos e menos ações. Por isso, eu aconselho que essa leitura seja feita com tranquilidade e sem pressa.

Edições do livro:

É sabido que Jane Austen é uma romancista prestigiada que cativou gerações de leitores através de suas narrativas recheadas de humor, ironia e críticas. Portanto, é muito comum vermos diversas edições de seus livros. Para realizar a leitura de Emma, eu li o exemplar da Martin Claret, a versão original e o exemplar da BestBolso, que se encontra no Kindle Unlimited. No fim das contas, eu preferi a edição da BestBolso, pois me identifiquei mais com a tradução da Therezinha Monteiro Deutsch, tendo em vista que (na minha opinião) ela se aproximou mais da escrita da Austen.

Contudo, se você deseja também começar uma coleção, o exemplar da Martin Claret é incrivelmente bonito e recheado de detalhes maravilhosos. Além disso, as notas da tradutora no rodapé ao longo da leitura são ótimas para compreensão de vocabulário e contexto.

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

resenha-emma-jane

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

Comentários

O blog Sentimento de Leitor disponibiliza o espaço do DISQUS para comentários e discussões dos temas apresentados no site, não se responsabilizando por opiniões, comentários e mensagens dos usuários sejam elas de qualquer natureza. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Compartilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade .

A estrutura do site, bem como os textos, os gráficos, as imagens, as fotografias, os sons, os vídeos e as demais aplicações informáticas que os compõem são de propriedade do "Sentimento de Leitor" e são protegidas pela legislação brasileira e internacional referente à propriedade intelectual. Qualquer representação, reprodução, adaptação ou exploração parcial ou total dos conteúdos, marcas e serviços propostos pelo site, por qualquer meio que seja, sem autorização prévia, expressa, disponibilizada e escrita do site, é vedada, podendo-se recorrer às medidas cíveis e penais cabíveis. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade .

publicidade

quem escreve?

Mandy Ariani

Olá, eu me chamo Mandy! Sou apaixonada por livros, filmes, mangás e Jane Austen. Se você quer ficar por dentro do universo geek e literário, visite a gente!

colaboradores

publicidade

para te inspirar

Quando acordei hoje de manhã, eu sabia quem eu era, mas acho que já mudei muitas vezes desde então.

Lewis CarrollAlice no País das Maravilhas, 1865.

os mais lidos do blog

editoras parceiras

2019

resenhas as mais recentes