Sentimento de Leitor

Juramos solenemente fazer boas recomendações
Imagem da Thumbnail para Nós
Resenhas

Nós

15 maio 19 5 mins. de leitura
por Ricardo Vergueiro

publicidade

Título Nós
Autor(a) Ievguêni Zamiátin
Tradutor(a) Gabriela Soares
Editora Aleph
Páginas 344
Ano 2017
D-503 é o engenheiro feliz e orgulhoso que vive sob as leis do Estado Único, uma sociedade matematicamente construída para ser perfeita. O cidadão-número tem a missão de projetar e construir a INTEGRAL, uma espaçonave que levará sua mensagem de felicidade e ordem a outros mundos, ainda submetidos à selvageria de uma vida imprecisa baseada em conceitos como “diferença” e “liberdade”. Tudo muda quando o construtor-chefe da INTEGRAL conhece E-330, uma mulher misteriosa e subversiva que carrega consigo a doença da imaginação. D-503 foi contaminado. Agora terá que duvidar de sua fé no poder da lógica e da perfeição, representadas na figura do todo-poderoso governante do Estado Único, o Benfeitor.

Ele, um número.  D-503 é o personagem de Nós, de Iêvgueni Zamiátin, a clássica distopia russa que serviu de inspiração para “gigantes” como Admirável Mundo Novo, 1984 e Fahrenheit 451. Sem contar, os best-sellers arrebatadores da sci-fi atual, como Divergente e Jogos Vorazes.

Eu, D-503, construtor da INTEGRAL…

O engenheiro de uma civilização do século 30 constrói uma espaçonave – a INTEGRAL – com a missão de levar a outros mundos (“selvagens”, inferiores) a experiência feliz, organizada e maquinal do Estado Único comandado pelo Benfeitor (este corresponderia, fazendo aqui um paralelo, ao Big Brother de Orwell). Nesse cenário, tanto você quanto eu somos o alvo da missão de D-503 e seu Estado Único. O personagem se dirige a mim como o “leitor desconhecido”. E ao abrirmos o livro, de fato, somos imediatamente contatados pela mensagem dessa sociedade “avançada” onde os indivíduos não tem nomes, mas sim NÚMEROS!

   […]

— Vejo que quer mostrar-se original, mas não seria possível…

— É claro — atalhou E-330 — que ser original significa ser diferente dos outros. Por consequência, ser original é o mesmo que violar a uniformidade. E aquilo que na linguagem idiota dos antigos passava por ser banal significa hoje para nós o cumprimento dum dever.

[…]

D-503, o cidadão-dígito que narra a história, e nos conta como é ser uma “célula” dentro do corpo grandioso do Estado Único, que define e programa até mesmo os horários em que o sexo é permitido! Porém, as certezas do protagonista são abaladas com o aparecimento de uma mulher misteriosa, que subverte todas as regras de uma vida calculada e perfeita. D-503 está prestes a ser contaminado. A doença? Os cientistas do Estado Único a chamam de imaginação!

Os personagens principais da trama, D-530 e E-330, vivem por ideais radicalmente opostos. Enquanto D-530 é um servidor fiel do Benfeitor, E-330 articula secretamente um atentado contra o governo. Ela tenta convencê-lo a apoiar um grupo rebelde na sabotagem da espaçonave INTEGRAL, o maior feito do Estado Único e, claro, de seu engenheiro-projetista… o próprio D-530. Ele, por sua vez, imagina-se doente ao sentir uma atração irresistível por E-330. Justo ela, uma cidadã desprezível, um perigo a ser evitado e, mais que isso, denunciado. Contudo, D-530 é incapaz disso, o que parece confirmar a sua doença.

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

Resenha de Nós de Ievguêni Zamiátin

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

Tal como seu personagem, o autor de “Nós” foi engenheiro por formação. Talvez isso explique o excesso de metáforas e figuras de linguagem baseadas na Aritmética e na Geometria. Isso dificultou um pouco o entendimento de algumas passagens para mim, exigindo um leitura mais demorada. Parecem que foram feitas sob medida pra afugentar quem é, assim como eu, um “zero à esquerda” nas Ciências Exatas.

 […] somos um triângulo; talvez não seja um triângulo isósceles, mas é um triângulo.

publicidade

Para mim, isso tornou a leitura um pouco pesada, comprometendo o ritmo. Outra questão é a falta de ganchos mais claros entre os capítulos, que às vezes chegam a parecer episódios isolados, sem ligação com o desenvolvimento da trama profunda. Em outras palavras, a história perde a coesão em alguns pontos.

Em compensação, a obra é impecável na caracterização dos personagens e na construção de seus diálogos, carregados de tensão e duplos sentidos (coerentes com o contexto social de vigilância permanente do Estado Único). Por fim, o desfecho do romance é tão impactante (e perturbador) quanto as páginas finais de 1984 ou Admirável Mundo Novo.

Fui eu mesmo, D-503, que escrevi estas centenas de páginas? Alguma vez passei por isto ou terei somente imaginado que passei por isto?

Depois de longos anos afastada do mercado brasileiro, a obra-prima de Iêvgueni Zamiátin voltou em 2017, num projeto luxuoso da Editora Aleph com direito à tradução direta do russo. A novíssima edição conta com dois destaques de peso: uma resenha de 1946 assinada por ninguém menos que George Orwell; e uma carta escrita por Zamiátin a Josef Stalin, em que o autor de “Nós” pede permissão ao ditador para deixar a União Soviética, onde vinha sendo constantemente censurado e perseguido. Em um dos trechos mais comoventes, o escritor afirma não crer “que mereça uma punição tão grave quanto a morte LITERÁRIA”.

A primeira coisa que qualquer um notaria a respeito de NÓS é o fato de que Admirável Mundo Novo deve, em parte, originar-se dele. A atmosfera dos dois livros é semelhante. E, em linhas gerais, é o mesmo tipo de sociedade que está sendo descrito, embora o livro de Huxley demonstre menos consciência política. -George Orwell

Nós garante uma experiência valiosa para quem vencer os desafios citados acima. Basicamente dois, para resumir: texto menos fluido e uso frequente de termos matemáticos. Mas o esforço, eu repito, vale a pena! A história é original e desperta muitas reflexões. Também gostei muito de identificar no livro algumas referências retrabalhadas mais tarde por George Orwell e Aldous Huxley em suas respectivas obras-primas.

Até o folhear da última página, a leitora e o leitor serão convidados a uma reflexão sobre sentimentos universais como amor, aceitação e senso de justiça, tendo como pano de fundo uma sociedade em que as paredes dos quartos são de vidro, onde a privacidade não tem valor algum, onde as diferenças e divergências devem ser combatidas e… eliminadas.

Isso não te lembra alguma coisa? Pois é só rolar um pouco mais a tela da rede social em que estiver agora. Repare nas discussões, as fake news, os haters… Você vai descobrir que “Nós”, publicado em 1924, tem muito a nos dizer ainda hoje, e talvez ao longo de todo o século XXI. E, se você gosta de distopias, confira 10 distopias que você não deve deixar de ler!

[…] vivemos cada instante à vista de todos, sempre banhados em luz e cercados de paredes de vidro que parecem feitas de ar refulgente. Nada temos a esconder uns dos outros. Esta forma de viver, assim às claras, facilita a difícil e nobre missão dos guardas. Se assim não fosse, sabe-se lá o que podia acontecer.

Comentários

O blog Sentimento de Leitor disponibiliza o espaço do DISQUS para comentários e discussões dos temas apresentados no site, não se responsabilizando por opiniões, comentários e mensagens dos usuários sejam elas de qualquer natureza. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Compartilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade .

A estrutura do site, bem como os textos, os gráficos, as imagens, as fotografias, os sons, os vídeos e as demais aplicações informáticas que os compõem são de propriedade do "Sentimento de Leitor" e são protegidas pela legislação brasileira e internacional referente à propriedade intelectual. Qualquer representação, reprodução, adaptação ou exploração parcial ou total dos conteúdos, marcas e serviços propostos pelo site, por qualquer meio que seja, sem autorização prévia, expressa, disponibilizada e escrita do site, é vedada, podendo-se recorrer às medidas cíveis e penais cabíveis. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade .

publicidade

quem escreve?

Mandy Ariani

Olá, eu me chamo Mandy! Sou apaixonada por livros, filmes, mangás e Jane Austen. Se você quer ficar por dentro do universo geek e literário, visite a gente!

colaboradores

publicidade

para te inspirar

Quando acordei hoje de manhã, eu sabia quem eu era, mas acho que já mudei muitas vezes desde então.

Lewis CarrollAlice no País das Maravilhas, 1865.

os mais lidos do blog

editoras parceiras

2019

resenhas as mais recentes