Sentimento de Leitor

Juramos solenemente fazer boas recomendações
Coringa: As 8 melhores versões de todos os tempos
Séries & Filmes

Coringa: As 8 melhores versões de todos os tempos

07 out 19 8 mins. de leitura
por Caique Araujo

publicidade

Na última semana, estreou em todos os cinemas o primeiro filme solo do vilão Coringa, desta vez interpretado por Joaquin Phoenix. Enquanto o filme dá o que falar e continua mexendo com a cabeça dos espectadores, decidimos separar uma lista com as 8 melhores versões do personagem de todos os tempos considerando seus mais de 65 anos de história. Obviamente, escolher as melhores versões de um personagem tão icônico é uma tarefa extremamente complicada, mas encaramos o desafio. Confira!

8. Cesar Romero, de “Batman” (1966-1968)

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

Coringa de Cesar Romero

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

Coringa de Cesar Romero

Não podemos falar sobre o Coringa sem mencionar Cesar Romero. Um grande nome do cinema na época que, por curiosidade, não permitiu que o seu bigode fosse removido para interpretar o palhaço e o fez mesmo assim. Esta, aliás, foi a primeira adaptação do personagem em carne e osso.

Claro que a proposta, durante aquele período, era justamente uma versão mais infantilizada e caricata do arqui-inimigo do Batman. Contudo não é nada que desmereça a adaptação sensacional realizada por Romero, que não apenas funcionou de forma excelente para época mas acabou criando um marco na história do personagem.

Uma das coisas mais legais sobre essa versão, ainda, é que ela não apenas traduziu literalmente o figurino e aparência do personagem nos quadrinhos na época, mas também serviu de influência para o estilo “pomposo” de Joaquin Phoenix na nova versão que chegou aos cinemas.

7. “Batman Que Ri”, (2017)

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

Fusão entre Batman e Coringa.

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

Fusão entre Batman e Coringa.

A DC Comics sempre foi conhecida por trabalhar extremamente bem com universos, ou realidades, não canônicos. Isso significa que, destes mais de 85 anos da editora, inúmeras histórias transcenderam o “normal” dos quadrinhos. O “Batman Que Ri” é exatamente uma das definições mais representativas deste status quo. Criado por Scott Snyder (que revolucionou o universo do Batman nos quadrinhos) e Greg Capullo, apareceu pela primeira vez no arco “Dias de Trevas” (Dark Days, no original).

E a proposta não poderia ser mais original. A trama narra um universo onde o Coringa foi assassinado pelo Batman. Entretanto, ao eliminar de vez o seu rival, o Homem Morcego acaba inalando uma toxina que o transforma no “Batman que ri”. Uma mistura inusitada, mas surpreendente. Um homem com todas as habilidades do Morcego, mas a completa loucura do Coringa.

6. “Batman: A Série Animada” (1992-1995)

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

Coringa em Batman: A Série Animada.

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

Coringa em Batman: A Série Animada.

Talvez esta seja uma das maiores séries animadas de super-heróis de todos os tempos. “Batman: A Série Animada” conquistou gerações e mesmo nos dias atuais continua conquistando. Entre todas as coisas boas que a série trouxe para o universo do Homem Morcego, incluindo a criação da Arlequina, o Coringa ganhou um marco em sua história.

Agraciado com a loucura de Mark Hamill, a dublagem não só foi única e transcendental que fez e ainda faz com que muitos fãs ao redor do globo sempre clamem para que Hamill duble o personagem nas mais diversas mídias. Aliás, recentemente, um rumor aponta que, talvez, Mark Hamill possa dar as caras como o personagem, novamente, no crossover “Crises nas Infinitas Terras” que o canal CW tem promovido.

5. “Piada Mortal” (1988)

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

Coringa em sua primeira história de origem.

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

Coringa em sua primeira história de origem.

E aqui está o mais próximo que chegamos da origem do personagem. Por muitos anos, a DC e os próprios roteiristas evitaram contextualizar diretamente a origem do Coringa. Tudo isso porque, claro, fica mais interessante quando se há um mistério. Mas, apostando em histórias alternativas, a DC convocou Alan Moore para escrever a icônica – e imperdível – Piada Mortal (veja a resenha aqui).

Mas essa não é apenas uma história de “origem”, seu impacto para cultura pop foi tão gigantesco que, em 1989, ela não apenas ganhou o prêmio Eisner (OSCAR dos quadrinhos) como também ficou na lista de mais vendidos do New York Times por dez anos desde o seu lançamento. Até hoje a HQ gera muitas discussões, principalmente devido a seu final “polêmico”. É certo que a maioria das adaptações do personagem beberam desta fonte, incluindo (mais diretamente) o próprio novo longa do Coringa.

É importante destacar que a história ganhou uma adaptação em 2016, no formato de animação em longa-metragem. Sendo que os icônicos dubladores de “Batman: A Série Animada” retornam aos seus papéis, incluindo a desequilibrada (e marcante) dublagem de Mark Hamill.

4. “O Cavaleiro das Trevas” (1986)

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

O Coringa exótico de Frank Miller

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

O Coringa exótico de Frank Miller.

publicidade

É uma tarefa realmente complicada classificar as melhores versões do Coringa, todas aqui são igualmente importantes a sua maneira. Todavia, alguma originalidade fala mais alto do que outra. E este é o caso do clássico de Frank Miller – uma história imperdível e uma edição indispensável para qualquer fã que se preze do Homem Morcego.

Novamente adotada como uma história alternativa, nesta realidade o vilão perde completamente a razão da sua existência após a aposentadoria do Batman. Logo, nos deparamos com um Coringa completamente “curado”. Porém, o que soava doce transforma-se em um dos eventos mais assustadores de todos os tempos para o personagem. Assim que Batman ressurge “das cinzas”, seu rival ganha um sopro de vida e retorna mais louco (e mais sangrento) do que nunca.

Como não poderia ser diferente, o sucesso da história marcou a indústria e todo folclore de Gotham. Por essa razão, a história ganhou uma adaptação: um longa-metragem animado. Este, que por sua vez, foi dividido em duas partes e consegue entregar toda a brutalidade das páginas dos quadrinhos.

3. Cameron Monaghan, de “Gotham” (2014-2019)

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

Cameron Monaghan como Coringa, embora esse nome nunca tenha sido mencionado.

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

Cameron Monaghan como Coringa, embora esse nome nunca tenha sido mencionado.

Gotham apresentou altos e baixos durante as suas cinco temporadas, entre esse turbilhão de emoções está Cameron Monaghan. O ator simplesmente arrasa em suas aparições e, durante, muito tempo foi o centro das atenções na série. O que faz com que essa versão seja ainda mais interessante, além de toda interpretação de Monaghan, são as fases do personagem.

O ponto negativo, entretanto, ficou por conta da própria Warner Bros que impediu a série de utilizar o nome “Coringa” durante todo o desenvolvimento do personagem. Por mais que, sim, este seja o Coringa, ninguém e nem o próprio Monaghan irão confessar a verdadeira identidade do personagem Jerome.

A partir da segunda temporada e ao longo das demais todas as adaptações possíveis do Coringa foram levadas as telas. Incluindo o seu ato mais macabro, quando Scott Snyder decidiu, nos quadrinhos, que o personagem ia arrancar sua própria face e costurar de volta. Cameron Monaghan fez tudo que os fãs dos quadrinhos queriam que o personagem fizesse.

2. Jack Nicholson, de “Batman” (1989)

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

A brilhante atuação do ganhador de 3 OSCARS, Jack Nicholson

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

A brilhante atuação do ganhador de 3 OSCARS, Jack Nicholson.

Um dos pontos positivos (ou nem tanto) da Warner Bros sempre foi apostar em grandes nomes para personagens “peculiares”. E Jack Nicholson certamente faz parte da classe A de Hollywood. Ele não é apenas capaz de interpretar qualquer personagem, mas também já tinha apresentado todo potencial da sua loucura em “O Iluminado”.

Não tem como negar que, durante muito tempo, a versão de Jack Nicholson do vilão consagrou-se como a adaptação definitiva do personagem nos cinemas. O filme de 1989 tinha um toque sombrio bem característico de Tim Burton, garantindo um tom arrepiante para o personagem. A versão teatral de Nicholson garantiu o charme à loucura, provando um novo sabor ao Coringa.

1. Heath Ledger, de “Batman: O Cavaleiro das Trevas” (2008)

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

O trabalho mais intenso da lista fica por conta de Heath Ledger

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

O trabalho mais intenso da lista fica por conta de Heath Ledger.

E, em primeiro lugar (pelo menos por enquanto), aquele que roubou o coração dos espectadores e tirou o majestoso Jack Nicholson do pódio principal: Heath Ledger. Escalado por Christopher Nolan para interpretar o Coringa em “O Cavaleiro das Trevas”, Ledger levou o trabalho a sério e entrou de cabeça no personagem garantindo meses de estudo e incorporação artística.

Não é atoa que o resultado transformou-se em uma atuação espetacular e redefiniu de muitas formas o que conhecemos sobre o vilão. O sucesso foi tanto que garantiu para o ator todos os prêmios de interpretação naquele ano, incluindo o primeiro OSCAR da história para um vilão de quadrinhos nos cinemas. Contudo, infelizmente, o ator veio a falecer em 22 de Janeiro de 2008 e mal sequer pode visualizar o resultado de toda sua performance.

Menções Honrosas

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

Duas versões que levam o palhaço aos seus limites.

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

Duas versões que levam o palhaço aos seus limites.

Apesar do roteiro nem sempre falar mais alto ou não contribuir tanto assim para o personagem, existem duas versões do palhaço que são, no mínimo, interessantes: “A Morte em Família” (2016) e “Cavaleiro Branco” (2018). Na primeira, Coringa aparece em sua forma mais brutal capaz de arrancar seu próprio rosto e costurar a pele de volta. Enquanto que, na segunda, o personagem passa por um tratamento que lhe concede sanidade e torna-se um político zeloso e preocupado com Gotham City e as insanidades do Cavaleiro das Trevas.

Mas, para você, leitor, qual é o melhor Coringa de todos os tempos e onde Joaquin Phoenix se encaixa nesta lista? Deixe nos comentários!

Comentários

O blog Sentimento de Leitor disponibiliza o espaço do DISQUS para comentários e discussões dos temas apresentados no site, não se responsabilizando por opiniões, comentários e mensagens dos usuários sejam elas de qualquer natureza. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Compartilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade .

A estrutura do site, bem como os textos, os gráficos, as imagens, as fotografias, os sons, os vídeos e as demais aplicações informáticas que os compõem são de propriedade do "Sentimento de Leitor" e são protegidas pela legislação brasileira e internacional referente à propriedade intelectual. Qualquer representação, reprodução, adaptação ou exploração parcial ou total dos conteúdos, marcas e serviços propostos pelo site, por qualquer meio que seja, sem autorização prévia, expressa, disponibilizada e escrita do site, é vedada, podendo-se recorrer às medidas cíveis e penais cabíveis. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade .

publicidade

quem escreve?

Mandy Ariani

Olá, eu me chamo Mandy! Sou apaixonada por livros, filmes, mangás e Jane Austen. Se você quer ficar por dentro do universo geek e literário, visite a gente!

colaboradores

publicidade

para te inspirar

Quando você abre o livro, é como num teatro: ali está a cortina. Você a arrasta para o lado, e a apresentação começa.

Cornelia FunkeCoração de Tinta, 2003.

os mais lidos do blog

editoras parceiras

2019

resenhas as mais recentes

Instagram@sentimentodeleitor